Umas e outras histórias com um amigo que se foi

Conheci Laílson por volta de 1984, quando ele editou um jornalzinho de humor, Folhetim Humorial, por esta o humor estava em alta, sobretudo o gráfico. Chargistas tornaram-se uma espécie de heróis porque, durante a ditadura militar, expressavam o sentimento dos que não podiam se expressar. Foi quando surgiu a charge editorial, algo muito antigo em jornal, mas que, em tempos de censura braba, tornou-se trincheira de resistência. Com o Folhetim Humorial nos tornamos amigos.

No aniversário de Lailson, 26 de dezembro, ele reunia amigos em casa, e rolava som até o dia raiar, com Almir, do Ave Sangria, e a mulher dele, cantando em dueto, Cláudio Almeida, arrasando no violão, Clériston mostrando músicas inéditas, ou paródias, Depois de umas quatro, eu perdia a vergonha e também tocava. Foi num aniversário desses que conheci as músicas do Phetus, a banda que Lailson formou com Paulo Rafael e Zé da Flauta, e que não deixou registro gravado. Quer dizer, em 2004, no disco A Turma do Beco do Barato, o Phetus finalmente conseguiu gravar.

Muitas vezes, Lailson ia a minha casa pra gente tirar um som, no domingo à tarde. Ele trazia a raríssima guitarra Gianinni, de 1967, acho. Foi num desses encontros que conheci as músicas do Phetus, a banda que Lailson formou com Paulo Rafael e Zé da Flauta, e que não deixou registro gravado.

Quando eu, Ral e Bione começamos a terceira fase do Papa-Figo Lailson e Clériston colaborar. Deixa explicar esta coisa de “fase”. Nos anos 70, o Papa-Figo teve a primeira fase, uma página com cartuns da turma que fazia humor gráfico no Recife na época, e não eram poucos, Libório, Paulo Santos, acho que Ivan Maurício, Lailson, Clériston, e outros de que não me lembro. A página vinha encartada no Jornal da Cidade, um tablóide alternativo. Na segunda fase, o Papa-Figo virou tablóide, editado por Ricardo Carvalho, salvo engano, que vivo salvo enganando-me.

A terceira fase começou no final de 1984, fim do regime militar, mas mesmo assim as pessoas ainda tinham medo. O cara da gráfica que imprimia o Papa-Figo pedia pra gente não colocar, no expediente, o local onde o jornal era impresso. Lailson e Clériston, colaboraram com os primeiros números. Como éramos muito chegados à música acabamos formando uma banda. O sucesso, ainda regional, do momento eram os grupos de fuleiragem music, Mel com Terra, Feijão com Arroz, Mastruz com Leite. Decidimos entrar na onda e batizamos a nossa de Pão com Banha, um termo de baixo nível, que saiu de linha.

A melhor coisa da Pão com Banha eram os ensaios, em que mais se bebia do que se tocava. A PCB durou pouco, mas chegou a fazer show com Falcão, no Teatro do Parque, vaiado por cearenses que só foram ao teatro pra ver o conterrâneo. Nosso principal palco era o estacionamento da livro 7, fizemos vários (des) concertos lá. Um deles, na frente da livraria, com a dupla Mauro e Quitéria (famosos pela participação num disco dos Titãs) Lailson abria com um brega, Penisvaldo Pinto, eu, Clériston e Bione fazíamos o corinho, “Você quer, me ter/você  quer me ter/eu não sou para o seu bico/mas você quer me ter”. Era gréia geral.

Quando escrevi o livro Do Frevo ao Manguebeat, a ajuda de Lailson foi fundamental. Superorganizado, ele guardava sua história em pastas, desde o intercâmbio nos Estados Unidos, a cartazes de shows. Foi aí que vi o desenho original feito para a capa do LP do Ave Sangria, que foi preterido pela gravadora Continental. Usaram a ideia de Lailson, mas não pegaram o espírito da coisa. Lailson esteve metido em todas lucubrações do udigrudi da década de 70.

 Organizado e meio formal, assim era também nosso amigo. Em 1994, fomos a Portugal, com o projeto Cumplicidades. Lailson só atravessava uma rua se o sinal estivesse aberto pra pedestre, mesmo sem carro nenhum à vista. Uma vez ralhou comigo porque atravessei uma ruazinha bem estreita com o sinal fechado. Só fiz rir. Também em Lisboa, a gente passava diante de um restaurante, e Lailson fala: “Vê que cara parecido com Marco Polo”. E eu: “Não apenas se parece como é o próprio Marco Polo”. E era. Nesse Cumplicidades, pra onde você se virasse via um pernambucano conhecido.

Passamos a nos ver menos depois que Lailson saiu do Diário de Pernambuco, e foi trabalhar como autônomo. Fui uma vez ao escritório dele, em Casa Forte, quando Nemo, o americano da gravadora Time-Lag  veio assinar contrato de autorização para lançar Satwa, de Lailson e Lula Côrtes, que nesse dia estava no escritório, como também uma filha de Marconi Notaro. Nemo queria lançar o Marconi Notaro no Sub-reino dos Metazoários.

 Eventualmente nos víamos.  Uma vez esteve na redação para divulgar uma ópera pop, feita com Fábio Valois, que abordava o período de Maurício de Nassau no Recife. Houve uma apresentação no Santa Isabel, mas apenas para conferir a reação do público. Não sei se foram à frente com a ópera. A última vez que nos vimos foi para uma participação dele e de Zé da Flauta num vídeo para um caderno especial que escrevi, pro JC, sobre o movimento udigrudi pernambucano dos anos 70. Esse encontro aconteceu em maio de 2019, dez meses antes do início da pandemia.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: