Alex Mono e Fernando Duarte confirmam que toda maneira de fazer frevo vale à pena

Quem foi que disse que não ia ter frevo? Carnaval, não sei, mas frevo tem nessa terça-feira, 21, a partir das 19h, na Passadisco (Rua da Hora, 345, Espinheiro), com o lançamento e audição do álbum Outros Frevos, de Alex Mono e Fernando Duarte (em foto de Bettina Guedes), que aterrissa também nas plataformas de música para stream. São dez frevos assinados por Duarte (um deles em parceria com Alex Mono). É a terceira investida de Fernando Duarte no gênero. Em 2019, ele fez Um Frevo Impossível, álbum lançado na mesma Passadisco, com uma exposição que celebrava o projeto Asas da América, de Carlos Fernando, cujo primeiro disco completava 40 anos. Em 2020, foi a vez do EP Mais Frevos Impossíveis, com Surama Ramos e Henrique Albino.

Alex Mono cantou em uma faixa de Um Frevo Impossível. Desta vez, participa de todas, cantando, assinando os arranjos, e pilotando os instrumentos, programações, que revestem as composições de Fernando Duarte, que não toca nenhum instrumento, e convidou Alex para harmonizar suas músicas. Daí para dividirem um álbum foi um passo. A dezena de faixas do disco têm compromisso com o frevo canção, mas o traz para onde está a música da terceira década do século 21. Ou seja, junta e misturada, gêneros ou sonoridades, o acústico e o eletrônico não guardam mais distância entre si. Fernando Duarte trabalha a estrutura básica do frevo como compositor e artista plástico simultaneamente.

No final da década de 80, o frevo viveu sua pior crise. Sem a exposição que a Fábrica de Discos Rozenblit lhe deu dos anos 50 a fins dos anos 70. Continuava-se a lançar LPs, e compactos, de frevo, mas raríssimos chegavam a se popularizar. O repertório dos bailes carnavalescos nos clubes sociais continuava o mesmo dos áureos tempos da Mocambo. Nas emissoras de rádio tocavam-se também os sucessos do passado. Ignoraram completamente a inovação de Carlos Fernando (e a fundamental participação de Geraldo Azevedo) com o citado Asas da América. Os pais do frevo não aceitavam inovações. Carlos Fernando contava que mostrou o Asas da América a Capiba, que retrucou que aquilo não era frevo. Era rock.

Sem novidades, agarrando-se às glórias do passado, com lançamentos de capas toscas, mal gravados (na época havia poucos estúdios de qualidade no Recife), o frevo não atraía a atenção das novas gerações de músicos pernambucanos. A geração manguebeat praticamente o ignorou. Voltou a respirar sem aparelhos, a partir de 2007, quando foi celebrado o aniversário oficial de cem anos do frevo. A visibilidade que ganhou durante todo o ano, com Antonio Nóbrega à frente do arrastão que ocupou o Marco Zero no dia 9 de fevereiro, levou a uma renovação, e a aproximação de músicos que o ignoravam. Houve tradicionalista que criticasse a ideia do maestro Spok de levar o frevo para teatros, mas não com o mesmo vigor de outros tempos.

Já se faz frevo até para ouvir deitado, dissociado do passo, sem que se vejam artigos furiosos nos jornais ou na web. Assim é que autores feito Fernando Duarte estão à vontade para compor outros frevos, como, por exemplo, Improviso, segunda faixa do álbum, que é como se o Kraftwerk caísse no passo, com ajuda de Stockhausen. Duarte discursa a letra, em versos inspirados nos antigos passistas, que praticavam sua arte criando a coreografia ad lib, dançando de acordo com o frevo. Em Marco Zero recorre à forma da poética de João Cabral de Melo Neto, com ambiência eletrônica, e as vozes de Alex Mono e João Paulo Rosas.

Mas o passo está presente em Outros Frevos, em Danço Conforme, cerzido por barulhinhos bons e sintetizados: “Danço e não me arrisco/danço num pulo solto/danço com o que tenho/danço em ponto morto/danço conforme a corda/danço fora do lado (…), ou seja, qualquer maneira de fazer o passo vale à pena.

Um álbum criado nesses dois últimos anos inevitavelmente traz à baila a pandemia, como acontece aqui com Não Tem Frevo em 2021, uma das faixas mais puláveis do disco (com a voz de Escurinho, cantor e percussionista pernambucano com cidadania paraibana). Na letra, paradoxalmente, é apontada a ausência do frevo nas principais avenidas e logradouros que sempre ocupou durante o carnaval atraindo multidões desde mais de um século atrás.

O disco foi gravado entre fevereiro e novembro de 2021, parte no estúdio que Alex Mono mantém em casa. A outra parte em Olinda, no Estúdio MidiOut do engenheiro de som e tecladista Felipe Maia, que faz participações no disco, tocando instrumento MIDI, na mixagem e masterização, e assina a produção com Alex Mono. As experiências comeram soltas, até porque Alex, que é da geração manguebeat (foi da Coração Tribal), tem entre suas muitas referências bandas que atuam no universo da eletrônica como a Stereolab ou Chemical Brother.

Mas há abertura para um frevo (quase) convencional, intitulado Enfim, mais uma faixa apropriada a se fazer o passo. Em plena folia, uma nota triste. Alugar-se estava sendo gravado quando chegou ao estúdio a notícia da morte do guitarrista Paulo Rafael. A homenagem a ele está em um solo de guitarra que alinhava este frevo. Assim como abre com uma música cadenciado, Para Sonhar, o álbum termina meio Acabou Chorare, com uma canção suave, de letra romântica, nostálgica.

A capa é assinada por Fernando Duarte, com design de Renata Cadena. Aliás, Os primeiros cento e cinquenta discos vendidos na loja, virão acompanhados de um sumiê (nanquim sobre papel manteiga) de Duarte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: