Chinaina chega pra animar a festa em Carnaval da Vingança

A Sheik Tosado foi uma das primeiras bandas pós-manguebeat, um bando de adolescentes, explodindo em adrenalina. A primeira banda da cena musical local com um disco que tinha a ver com carnaval, e com frevo. O álbum de estreia do Sheik Tosado, de 1999, tomou do Dicionário Aurélio, uma definição simplista do frevo: Som de Caráter Urbano e de Salão. China, que se rebatizou de Chinaina, definiu melhor: “hardcore brasileiro é o frevo”, refrão de Hardcore Brasileiro, faixa daquele disco.

A música foi incluída no EP Carnaval da Vingança (Pedra Onze), que Chinaína mandou hoje às plataformas de música para streaming. No EP ele retoma o espírito carnavalesco do Sheik Tosado (o Sheik além do frevocore, foi também de La Ursa, um dos gêneros carnavalesco menos conhecido fora de Pernambuco). Pena que sejam apenas quatro faixas, porque Chinaina explora muito bem as características da música do nosso carnaval. E surpreende.

Virando Papangu, parceria com Cannibal (da Devotos) abre com o tradicional apito do frevo de bloco, e uníssono de instrumentos de cordas, súbito irrompem guitarras pesadas. Um frevo de bloco pra roda de pogo: “A multidão inflama/e o frevo pega fogo em todo lugar/somos milhões em chama/ e o sangue está fervendo para transbordar/eu quero ver a poeira subir/quero ver o povo balançar”. Isto tocado na Praça do Marco Zero tem que ter até bombeiro de plantão.

O EP traz duas inéditas, a citada Virando Papangu, e Carnaval Infinito (com Michelle Abu), um samba-reggae melodioso, a melhor contribuição da axé music à MPB, mas que contrasta com os frevo do disco. O frevo, como escreveu Valdemar de Oliveira, “Não convida, arrasta”. Caixas rufam, e chegam sopros e palhetas, com um alguns dos craques do instrumental pernambucano: Nilsinho Amarante (trombone),Tostão Queiroga (surdo, caixa, pandeiro e pratos), Alex Santana (tuba),  Fabinho Costa (trompete) e Gilberto Pontes (sax tenor e alto). A música é Deixe-se Acreditar (Chinaina/ Felipe S./ Marcelo Campello), pinçada do repertório do Mombojó, agora com roupagem de frevo canção. A faixa tem participação nos vocais de Felipe S.

Hardcore Brasileiro (Chinaina/Bruno Ximarú/Hugo Carranca) tem a mesma supercharanga nomeada acima, com um arranjo primoroso, acrescido de Tom Dornelas e Pamella Cachico nos vocais de apoio. Uma acelerada no frevo, chegando a 180 bpm, desaconselhável para cardíacos.

Carnaval da Vingança foi produzido por Chinaina, mixado e masterizado por BuguinhaDub, com belo trabalho gráfico de Neílton (Devotos), que em seu incluiu em seu desenho toda fauna de folíões possível. No EP Chinaina ratifica que, ao longo das duas últimas décadas, foi criada uma nova música carnavalesca pernambucana, que convive harmoniosamente com a tradição, os três estilos de frevo, maracatu, caboclinho, La ursa. Estes têm reprocessados seus elementos em gêneros híbridos, em que entram, jazz, rock e o que pintar na cabeça. Mas, o que é fundamental: permanecendo o objetivo de festa, de ser dançado coletivamente. Uma música que foi assimilada nas domingueiras e noites olindenses, e nas prévias carnavalescas dos blocos e troças modernas, em que qualquer tipo de música vale a pena.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: