Gary Brooker (1945/2022) autor de um hit de verão que toca há 55 anos

Em meados de 1966, o americano Joe Boyd, que produziu o compacto de estreia do Pink Floyd, e foi empresário da banda, recebeu no escritório em Londres, um cara chamado Keith Reid, que se dizia músico. Reid que Joe o contratasse, mas a única coisa trouxe consigo foi a letra de uma canção. De versos inexpugnáveis até os tempos atuais.

Sim, até a terceira década do século 21. O primeiro é assim: “We skipped the light fandango”. Nem James Joyce faria mais indecifrável. Nesta época, Boyd tinha aberto com um sócio o que seria um dos mais badalados clubes noturno da swinging London, o UFO, frequentado pela realeza pop, dos Beatles aos Rolling Stones, passando pelo The Who, Eric Clapton e Jimi Hendrix. As bandas da casa eram o Pink Floyd e o Soft Machine. Mas o americano não tinha um exatamente aguçado para o sucesso.

Mais ou menos um ano depois, o empresário Denny Cordell veio lhe oferecer para tocar no UFO algumas das bandas que trabalhavam com ele. Uma delas era a Procol Harum, um grupo ainda desconhecido, mas no limiar do sucesso. Na semana em que tocou no clube de Joe Boyd, estourou nos dois lados do Atlântico com uma balada progressiva chamada A Whiter Shade of Pale, composta com melodia de Gary Brooke (baseada em peças de Bach), e letra de Keith Reid, que começava com os versos: “We skipped like fandango”. A canção depois ganharia mais um autor Matthew Fisher, integrante do Procol Harum, que ganhou na justiça seu quinhão na música milionária, que vendeu só nos anos 60 mais de 10 milhões de singles. E no Brasil ganhou gravação de Agnaldo Timóteo, na versão de Geraldo Figueiredo, intitulada Este Amor Que Eu Não Queria;

Neste 23 de fevereiro, anunciou-se a morte de Gary Brooker, em conseqüência de câncer, aos 76 anos.  Brooker nunca alcançou o status de superstar, o grupo foi maior do que as partes. O Procol Harum esteve em evidência durante os anos 60. A Whiter Shade of Pale tornou-se um imbróglio jurídico que só foi concluído em 2009, abrindo a parceria para Mathew Fischer. Mas seu nome mantém-se na história do rock, como autor de uma das introduções mais marcantes do gênero, copiada ad nauseam. A Whiter Shade of Pale recebeu mais de mil regravações. Brokker e a voz  de um hit de verão que toca há 55 anos.

2 comentários em “Gary Brooker (1945/2022) autor de um hit de verão que toca há 55 anos

Adicione o seu

    1. A maioria dessas bandas aparentemente sumidas contnuavam tocando. No ano do Brasil na França, eu ia pro local onde rolava o evento, passei por uma clube noturno e tava rolando um show do The Seeds. Paguei uns 10 euros, não me lembro. O grupo tinha reunido a formação dos anos 60. Nem deu pra assistir ao show todo. Mas sai dele de astral alto. Nunca imaginei que veria a banda.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: