Nova música pernambucana reverberando no novo disco da baiana Simone

Em Da Gente (Biscoito Fino), a baiana Simone, radicada no Rio desde inicio dos anos 70, comete uma ousadia ao gravar uma maioria de autores nordestinos, a maioria dos quais não mora no Sudeste. Boa parte deles é de Pernambuco, ou tem ligações com o estado, compositores, também instrumentistas e intérpretes, que sedimentaram suas carreiras no Recife ou Olinda, alguns em Caruaru. Uma atitude que pode levar mais intérpretes a aguçarem os ouvidos para a música produzida fora das duas principais caixas de ressonância do país, Rio e São Paulo.

Muito da responsabilidade pela mudança dos ventos é da niteroiense Zélia Duncan que, em 2021, lançou o álbum Pelespírito com todas as faixas criadas em parceria com Juliano Holanda, a quem conheceu por intermédio do cantor Almério, nascido em Altinho, mas crescido em Caruaru, ambas no Agreste de Pernambuco. Em Da Gente, Zélia Duncan assina a direção artística, e Juliano Holanda a direção musical. Por Juliano, Zélia conheceu Martins, PC Silva ou Isabela Moraes que, com outros autores e intérpretes, integram o coletivo Reverbo, do qual o ubíquo Juliano Holanda é uma espécie de maestro. Ele produziu os discos de Martins, PC Silva, da baiana Joana Terra, os três com músicas em Da Gente.

Mas este não é um álbum só de pernambucanos. O Nordeste se espalha pelas suas 12 faixas. Uma delas, Dezembros, foi composta pelos cearenses Raimundo Fagner e Fausto Nilo com o maranhense Zeca Baleiro. A paraibana Cátia de França escreveu Estilhaços, em parceria com o pernambucano (criado em João Pessoa), Flávio Nascimento. Da soteropolitana, criada no Recife, Karina Buhr (há anos morando em São Paulo), Simone canta Amor Brando.

A paraibana Socorro Lira entrou no disco com a balada Naturalmente (parceria com Roberto Trajan), que fecha o álbum, e do qual foi tirado o título do álbum, dos versos: “E como poderia ser diferente quando se trata da gente?”. Do disco Estamos Vivos (2020), da caruaruense Isabela Moraes Simone pinçou o xote Você Distante. Mais um pernambucano, da sertaneja Jatobá (terra de João Pernambuco), Gean Ramos veio para Da Gente, com Escancarada, assinada com a carioca, crescida em Caruaru, Rogéria Dera. PC Silva, da também sertaneja Serra Talhada, mas morando na capital há alguns anos, chega com Imã. PC é parceiro de Joana Terra em Por Que Você Não Vem? E tem música de Juliano Holanda, claro, duas: Boca em Brasa (com Zélia Duncan), e Haja Terapia, que abre o repertório.

Por fim, mas não menos importante, Simone. Ela também entra no time de compositores nordestinos, em Nua, parceria com o português Tiago Torres da Silva. E a intérprete?  Simone, embora já não tão popular, continua jogando no primeiro time das grandes vozes da música brasileira. Canta mais contida, com a idade (completa 73 em 25 dezembro) a voz ficou mais suave. Em algumas faixas, no entanto, ela se solta mais, como acontece em Estilhaços e Escancarada. Um belo disco, ratificando que a MPB se renovou, e com tanta qualidade quanto a que maravilhava compatriotas e gringos no século 20.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: