Lani Hall, a voz de Mas que Nada, com o Brazil 66 de Sérgio Mendes, em precioso disco solo

A cantora Lani Hall é uma ilustre desconhecida no Brasil, embora tenha sido a intérprete de um das canções da MPB mais bem sucedida no exterior, Mas que Nada, de Jorge Ben (a anos de adotar o “Jor”) Ela cantou durante seis anos no grupo de Sergio Mendes, o Brazil 66, um imenso sucesso no planeta em 1966, que escalou o topo das paradas mundo afora, o que se estendeu até os anos 70. Herb Alpert Presents Sergio Mendes & Brazil 66, é o título do LP inaugural e de Mendes e sua banda. O trompetista Herb Alpert era uma das estrelas populares da época (com a Tijuana Brass), e um dos donos da gravadora A&M, pela qual Sergio Mendes lançou sua discografia dos anos 60 e parte da década seguinte. Herb Alpert Lani Hall são casados há 50 anos.

O casal é exemplo de como a longevidade prorroga a data de validade de artistas, de várias áreas. Lani Hall está com 77 anos, e Herb Alpert completou 87 em março. Ela está com disco novo, Seasons of Love, com participação do marido. O primeiro solo em 24 anos, o que não significa que estivesse aposentada. Pelo contrário. Canta na banda de Alpert há décadas. Quando irrompeu a pandemia, cancelaram 55 shows agendados. A música ajuda a atravessarem esta pandemia (que não terminou). Em 2021, Herb Alpert criou em seu estúdio a base de uma das canções preferidas de Lani Hall, Seasons of Love (Jonathan Larson), de Rent, musical da Broadway, de 1996.

A gravação foi lançada como single de Lani Hall em junho de 2021, e impulsionou o projeto do álbum batizado com o título da canção. Quer dizer, o disco surgiu de um episódio casual, como também foi casual a entrada de Lani na carreira artística. Casual e inusitada. Ela costumava cantar no quarto da casa dos pais, de porta fechada. Uma amiga foi visitá-la, a escutou, e achou que havia mais alguém no quarto. Quando Lani lhe abriu a porta, perguntou quem estava com ela. Ninguém, foi a resposta, eu gosto de cantar, esclareceu à amiga, que cantava num nightclub. Uma noite Lani Hall foi a assisti-la. De repente, a amiga falou seu nome ao microfone, colocou as luzes sobre Lani Hall, e a convidou ao palco.

Universal Soldier foi a canção escolhida por Lani. Deve ter causado estranheza à plateia, a composição, de protesto, assinada por Buffy Saint-Marie, indígena canadense, que fez parte do movimento folk do inicio dos anos 60. Universal Soldier está no álbum de estreia de Buffy, It’ My Way, de 1964, mas fez sucesso em 1965, com o inglês Donovan. Buffy Saint-Marie foi a primeira indígena a ganhar um Oscar, em 1983, com Up Where We Belong, do filme Na Officer and a Gentleman, de Taylor Hackford (no Brasil, A Força do Destino).

O dono de um café que funcionava ali perto viu Lani Hall cantar naquela noite, e a convidou para uma temporada de 15 dias, estendida por mais 15. O acaso continuou a dirigir a carreira da cantora, então com 19 anos. Exatamente nessa época, Sérgio Mendes desfazia o grupo Brazil 65, que não aconteceu em sua investida no showbizz americano. Mas ele não desistiu. Mendes escutou Lani Hall por acaso. Passou pela rua quando ela apresentava no café. Foi conferir de perto. Depois do show lhe fez um convite para participar do grupo que estava montando. Ela topou, mas precisava que o pai topasse também.

Ele topou, e o resto é história. Sergio Mendes foi um dos três ou quatro artistas brasileiros a fazer sucesso estrondoso e relevante mundo afora, de colecionar discos de platina, Grammy e a disputar as paradas com Beatles, Paul Simon, Carole King, ou Frank Sinatra (com quem fez duas turnês).

Aliás, um dos maiores hits de Sérgio Mendes & Brasil 66 foi com uma versão de The Fool on the Hill, de Lennon & McCartney, que alcançou o terceiro lugar no paradão pop da Billboard, primeiro na parada de jazz, e um Grammy. Para gravar The Fool on the Hill, o álbum, em 1968, Sergio Mendes modificou o grupo. Da formação original, permaneceu apenas Lani Hall.

SEASONS OF LOVE

Considerada uma crooner de luxo, Lani Hall geralmente é subestimada em suas investidas solo. Com Seasons of Love está sendo mais bem avaliada, com críticas elogiosas. Além de uma ótima seleção de repertório, ela conta com os arranjos refinados de Herb Alpert. Aliás, o repertório surpreende com Sorri, versão de Nazareno de Brito, para Smile, de Charlie Chaplin e Geoffrey Parsons. A interpretação é em português e inglês (o português com menos sotaque do que quando gravou Mas Que Nada). Já Águas de Março é cantada em inglês, na versão feita pelo próprio Tom Jobim.

A interpretação de Lani Hall é mais carregada de dramaticidade, uma divisão de frases que a aproximam do jazz. A voz com os grave ressaltados pelo tempo, mas que não perdeu o suingue quando canta, por exemplo, Happy Woman (ou Happy Man, megahit do Chicago nos anos 70). Lani Hall recorre ao supervisitado songbook dos Beatles, e faz de Here Comes the Sun, uma canção de esperança diante a pandemia. Seasons of Love, é isto, um disco feito por quem estava à espera de dias melhores.      

4 comentários em “Lani Hall, a voz de Mas que Nada, com o Brazil 66 de Sérgio Mendes, em precioso disco solo

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: