Rainha Elizabeth esteve duas vezes no Recife em 1968. Voltou para Londres levando na bagagem 50 caixas de abacaxi, e um retrato autografado do marechal Costa e Silva

Glauber Rocha poderia ter sido o autor do roteiro da rainha Elizabeth e do marido, o Principe Phillips, em novembro de 1968, na única visita de Sua Majestade ao Brasil. Na semana da chegada do casal real ao Recife, por onde começaram a visita, jornais ingleses noticiavam que em celebrações de vodu na Bahia (candomblé, na verdade), galos foram sacrificados, para dar sorte à rainha. E funcionou.  Porque sua majestade escolheu uma época tumultuada para vir ao país. Manifestações estudantis pipocavam todos os dias, a oposição forçava a barra pedindo a volta da democracia,  a linha dura do regime ameaçava botar pra quebrar. Botou.  43 dias depois da chegada da Rainha Elizabeth ao Brasil, foi decretado o Ato Institucional nº 5, o célebre AI-5.

Dias antes de o avião real aterrissar no aeroporto dos Guararapes, onde já se encontrava o Principe Philips, que veio do México, onde fora conferir os jogos olímpicos, O CCC (Comando de Caça aos Comunistas) grupo de extrema direita radicalizava no Recife. 30 integrantes do seus invadiram a Universidade Católica e a Faculdade de Engenharia, onde promoveram um quebra-quebra e, logo em seguida, distribuíram tiros na Casa dos Estudantes da Universidade Federal Rural. 

No final da semana anterior, a cinco dias para a chegada da rainha, provavelmente integrantes do CCC metralharam a casa em que Hélder Câmera morava, no fundo da igreja das Fronteiras, na rua homônima, na Boa Vista. Os quatro homens encapuzados, depois dos tiros, bradaram: “Morte ao arcebispo vermelho, morte ao arcebispo de Moscou”. Quase matam de susto a senhora que cuidava da casa. D.Hélder encontrava-se no Rio. O atentado ganhou manchetes no Brasil e no exterior.

O clima de confronto entre estudantes, organizações de esquerda, e o regime militar aproximava-se dos finalmente. Temia-se que a comitiva real se deparasse com manifestações estudantis no seu trajeto até o Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual. Entrou em ação, pois, talvez o maior aparato policial já montado no Recife, para garantir a tranquilidade, pelo menos durante as aproximadas duas horas em que a Rainha Elizabeth passaria na capital pernambucana. Cinco mil homens, das forças armadas, polícias militar e civil espalharam-se pela cidade. Agentes do Dops postaram-se nas pontes por onde transitaria o carro aberto (um Lincoln), em que a rainha desfilaria pelas ruas do Recife.

Nas semanas que antecederam a visita real, desencadeava-se uma guerra, pacífica, mas barulhenta, de vips pernambucanos por convites para a cerimônia que aconteceria nos salões do palácio do governo. Seriam distribuídos apenas 180 convites, metade deles para súditos da rainha da Inglaterra, que viviam na capital. O chefe do cerimonial governo Nilo Coelho, o jornalista Paulo Fernando Craveiro, precisou de se valer de muita diplomacia para contornar o problema, mas não flexibilizou o número de convidados: 180, nem um a mais. Abriu mão de reter o convite, depois da entrada do convidado. Estes pediram que os convites lhes fossem devolvidos, para guardá-los como lembrança da efeméride.

 Estimou-se em 200 mil, a quantidade de recifenses que esteve às ruas para ver a rainha Elizabeth, conhecida por ser bastante discreta, mas que naquela tarde de 1º de novembro de 1968, vestia-se nas chamativas cores verde e amarela, acenava e distribuía sorrisos para a multidão que gritava seu nome. O cortejo transcorreu tranquilo. Era Dia de Todos os Santos, um quase feriado, quando a comitiva passou pela Avenida Boa Viagem, foi ovacionada pelos banhistas, que se amontoavam no calçadão, e pelos moradores, que acenavam das janelas dos edifícios. Se chegou ao destino sem ocorrências, nem quebras de protocolo.

Já no palácio a recepção foi mais glauberiana.  Os convidados receberam com antecedência uma espécie de tutorial sobre como agir na presença de Rainha e do seu marido, o Duque de Edimburgo. Exigia-se obediência aos protocolos. Nem a rainha nem o príncipe concediam autógrafos; não recebiam presentes, nem aceitavam que lhes beijassem as mãos. Tampouco se deveria dirigir a palavra a casal. Mas se porventura os dois falassem com a alguém, o tratamento deveria ser “Her majesty”, no início, “ma’am” no meio do papo, e “Her majesty”, no final. Com o príncipe, “His highness”, “Sir” ,e mais uma vez “His highness”.

Era difícil conter o excitamento dos convidados. Bebidas leves, sucos de frutas foram servidos. Sua majestade, diz-se, adorou o suco de pitanga. Sem exatamente quebrar o protocolo, uma madame levou uma queda ao escorregar em cascas de uvas (do vale do São Francisco) atiradas no assoalho. Mas saiu ilesa do incidente. Porém Dom Hélder Câmara quebrou o protocolo. Foi apresentado ao casal real, deu um tempinho, e saiu de fininho, sem nem fazer uma boquinha. Minutos depois foi visto na pracinha do Diário, numa lanchonete, degustando um sanduíche.

Eis que, quando Elizabeth e Phllips iam conferir as telas de Lula Cardoso Ayres e peças de Francisco Brennand, numa exposição montada especialmente para os nobres ingleses, o palácio ficou às escuras. Aliás, o Recife inteiro. Culpa de uma pane na estação da Chesf no Bongi. Um vexame, mas que o casal real tratou com a propalada fleuma britânica. O príncipe até segurou um candelabro para que pudessem ver as obras de arte. Foram presenteados por Nilo Coelho com duas telas de Cardoso Ayres, e peças de Brennand. A energia só voltou quando a comitiva real preparava-se para deixar o palácio do governo e se dirigir ao iate Britannia, ancorado há uma semana no cais do porto, no Bairro do Recife. No dia seguinte o iate levou a comitiva para Salvador.

GOLEADA

Com uma semana sem ter muito o que fazer, a tripulação do Britannia fez um pouco de turismo pela capital pernambucana, conheceu as pensões alegres do bairro, curtiu as praias do Pina e Boa Viagem, e até formou um time para uma partida de futebol. Os ingleses jogaram contra o time reserva do Santa Cruz. Levaram uma sonora goleada: 12×1. Pelo time do Santa atuaram dois futuros ídolos da torcida tricolor: Ramon e Givanildo.

No dia 2 de novembro, Feriado de Finados, o iate partiu para Salvador, levando na bagagem, além das obras de arte, 50 caixas de abacaxi selecionados, presente da Maguary. Outro presente inusitado, a rainha ganhou em Brasília: um retrato emoldurado e autografado pelo marechal Costa e Silva, o presidente militar da vez. Voltou ao Recife 18 dias mais tarde, e daqui voou de volta à Londres.

TÓPICOS

Depois da rainha, a realidade. Dezenas de pessoas prestaram queixas na Delegacia de Roubos e Furtos. Enquanto perfilavam nas calçadas esperando o cortejo que trazia sua majestade, suas casas foram visitadas pelos amigos do alheio.

Quando o iate real preparava-se para zarpar para a capital baiana, uma orquestra no Marco Zero, então a Praça Barão do Rio Branco, tocava clássicos do frevo. No convés, uma orquestra executavam A Banda, de Chico Buarque, e Pata-Pata, o hit internacional da sul-africana Miriam Makeba.

O Recife tornou-se a primeira cidade do continente sul-americano a receber uma majestade europeia, e certamente pela sua posição estratégica. A autonomia de voo das aeronaves que vinham da Europa terminava na capital pernambucana. Aqui pousavam para abastecer. Por isso a comitiva real retornaria ao Recifes. Mas foi imediatamente do aeroporto ao cais do porto. Pernoitou no Britannia e, na tarde do dia seguinte, retornaram para a Inglaterra.

Em 1960, o Recife foi também a primeira cidade do país a receber a visita do imperador da Etiópia (então Abissínia), Hailé Sellasié. Ele pernoitou no palácio do Campo das Princesas e viajou em seguida para a recém-inaugurada Brasília. Selassié voltou às pressas ao Recife, de onde partiu para Adis Abeba, a fim de combater os adversários (entre os quais um filho seu) que lhe deram um golpe de estado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: