The Doors com mais um álbum póstumo e a última gravação inédita com Jim Morrison, Paris Blues

A versão oficial da morte de Jim Morrison, vocalista de The Doors: um ataque cardíaco, numa banheira, de um apartamento em Paris. Gordo, mas não obeso, barba longa, provavelmente alcóolatra, Morrison, com processo correndo na justiça da Flórida, por ter exposto o pênis durante uma apresentação, em 1969. A saída foi Paris. Além de cidade onde viveu dos poetas que admirava, Rimbaud, um deles, a França não tinha tratado de extradição com os Estados Unidos. Assim, se fosse condenado, ele estaria seguro.

Paris blues é o título de uma canção inédita de The Doors, lançada dias atrás. Segundo os sobreviventes do grupo é a última que resta de gravações da banda em estúdio. Paris Blues foi registrada entre 1968 e 1970, os remanescentes da banda,  Robby Krieger e John Densmore, não se lembra se para os álbuns Soft Parade ou L.A Woman.  A gravação do estúdio se perdeu. A única cópia da música estava com o tecladista Ray Manzarek, porém o filho dele, ainda criança, gravou a própria voz por cima, felizmente em trechos curtos. As atuais possibilidades tecnológicas permitiram a recuperação do áudio.

Paris blues é um blues tradicional, não é das mais inspiradas composições de Morrison, ou dos companheiros de grupo, mas a interpretação é muito boa, assim como a guitarra de Krieger. Paris Blues é, como se dizia quando foi feita, a música de trabalho do álbum  homônimo, lançado em edição limitada para o Record Store Day (O Dia da Loja de Disco, um evento que já se tornou tradicional nos EUA, que acontece, desde 2007, em abril, e na Black Friday).

Paris, o álbum, tem repertório centrado no blues, e mais dois atrativos para os fãs de The Doors, duas canções ao vivo, com Jim Morrison e Robby Krieger, registro de uma apresentação realizada, pelos dois, em maio de 1969, num evento para arrecadar dinheiro para a campanha do escritor Norman Mailer à prefeitura de Nova Iorque. As músicas: I Will Never Be Untrue, sobra do álbum Morrison Hotel, e Me and the Devil Blues, de Robert Johnson;

THE END

“O fim. Jim, sozinho, não em uma banheira, mas no sanitário, a cabeça curvada, as calças arreadas até os joelhos, encontrado, assim como, Elvis, seu ídolo, dali a seis anos. Os braços pendurados, o cérebro frito.   Parou de funcionar antes mesmo que derrubassem a porta para tirar Jim dali. Overdose de heroína. A “China white”, “Chine Blanche”. Da boa, quase pura. Havia em fartura em Paris naquele verão. Jim sozinho, mais uma vez, embora cercado de amigos”
Início do livro Love Becomes a Funeral Pyre – A Biography of The Doors, de Mick Wall (Chicago Review Press, 2014), que revisa a versão até então romantizada, da morte de Jim Morrison, um mito pop dos anos 60. Empregados do Rock and Roll Circus, bar que costumava frequentar, para evitar as inevitáveis publicidade e a polícia, trataram de se livrar o corpo de Morrison. Foi carregado, com dificuldade, pela porta dos fundos, jogado no banco de trás de uma Mercedes Benz, e levado para o apartamento, no bairro de Marrais, onde Jim e a namorada Pamela moravam, no terceiro andar de um pequeno prédio, na rua Beautreillis.
Pamela estava em casa, chapada de heroína quando os dois franceses chegaram com o corpo do namorado. Não era a primeira vez que o traziam assim desfalecido de excessos, álcool e drogas. Mas quando o arrastaram ao banheiro, o despiram, encheram a banheira de água e o colocaram dentro, foi que Pamela viu que Jim estava morto. Entrou em pânico, chorou e gritou. Talvez tenha acordado vizinhos. Era três da manhã.
Jim Morrison foi sepultado no cemitério Pére la Chaise, em meio a túmulos de alguns dos poetas e escritores que o influenciaram. Pamela Courson morreria em 1974, também de overdose de heroína. Assim como Jim, morreu com 27 anos. Completariam, ambos, 28 anos em dezembro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: