Quincy Jones não resistiu ao charme da bossa nova, e acabou legando o seu borogodá a Reginaldo Rossi

A lista de álbuns de bossa nova gravados por grandes músicos americanos é longa. Destaco Big Band Bossa Nova, de Quincy Jones, de 1962. O grupo surgiu a partir do tema Soul Bossa Nova, composta por Jones, então já um nome respeitado não apenas no jazz, mas na indústria fonográfica americana. Foi o primeiro negro a ser vice-presidente de uma grande gravadora, a Mercury (cujo catálogo era distribuído no Brasil pela Rozenblit).  Além de músico extremamente talentos, Quincy Jones tornou-se requisitado produtor, arranjador e autor de trilhas sonoras.

A BN acertou o maestro em cheio. O álbum Big Band Bossa Nova é um clássico dos muitos produzidos no auge da influência do samba moderno nos EUA. Sim, samba moderno. Por mais que quisessem rotular a BN de uma variante do jazz (como o implacável Zé Ramos Tinhorão), a bossa influenciou o jazz, foi incorporada ao idioma musical americano. É o que ratifica Quincy Jones neste álbum, cujo grande sucesso é a citada Soul Bossa Nova, que não é exatamente uma bossa nova.

Há mais dois álbuns com o mesmo título, um de Stan Getz, outro de Enoch Light, um violinista de formação erudita, mas bandleader com viés para a música dançante. O repertório escolhido por Quincy Jones reúne hits da BN, Desafinado (Tom Jobim/Newton Mendonça), Se É Tarde me Perdoa (Ronaldo Bôscoli/Carlos Lyra), Desafinado (Tom Jobim/Newton Mendonça), Chega de Saudade (Tom Jobim/Vinicius de Moraes), com temas assinados por Charles Mingus (Boogie Bossa Nova), ou Lalo Schfrin (Lalo Bossa Nova).

Se a música é de primeira, os arranjos e orquestrações são de primeiríssimas. Big Band Bossa Nova foi relançado como um álbum duplo, ou melhor um dois em um. Começando com o disco The Birth of a Big Band (1959), que não tem a ver com a bossa nova. É puro jazz, mas comprova o quanto o jovem Quincy Jones, então com 29 anos seria atraído pela bossa nova.

SOUL BOSSA NOVA

A música caiu nas graças dos cineastas. Foi usada por Sidney Lumet, em 1964 (em The Pawnbroker),  Por Woody Allen, em1969 (Take Your Money and Run), e por Mike Myers, em 1997 (na série Austin Powers).  Em 1965, o francês Nino Ferrer praticamente copiou o tema de Jones, colocou-lhe uma letra, e o título de Les Cornichons. Em 1966, Eduardo Araújo fez a versão que foi sucesso com Erasmo Carlos, com o nome de Deixe de Banca.

Em 1985, Reginaldo Rossi regravou Deixa de Banda, que batizou seu LP daquele ano na CBS. Esquecida, a música voltou a fazer sucesso, e daí em diante passou a ser conhecida como Borogodá. Quer dizer, o Borogodá de Reginaldo Rei surgiu lá atrás, quando a bossa nova adentrou os Estados Unidos em 1962.     ]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: