Frevo, meu bem – O segundo, e primoroso, disco do projeto Asas da América completa 40 anos ainda ignorado pelas rádios recifenses.

O compositor caruaruense Carlos Fernando (1938/2013) é sempre muito citado quando o assunto é frevo, mas o inovador projeto que pilotou com Geraldo Azevedo, o Asas da América, na época tocou pouco, ou quase nada nas emissoras do Recife, como ainda hoje pouco toca. O primeiro foi inovador não apenas nos frevos de melodias e... Continuar Lendo →

J.Michiles, chega aos 80 anos, com a massa entoando o corinho: “Bom demais, bom demais , bom demais …”

Em 1966, um jovem compositor, de 23 anos, José Michiles da Silva, surpreendia a oligarquia da música pernambucana. Foi o vencedor do disputado concurso, promovido pela prefeitura da capital pernambucana, em parceria com a TV Jornal do Commercio. Recife Manhã de Sol, a música de J.Michiles, como ele é conhecido, passou por um funil pelo... Continuar Lendo →

Nêgah Santos, presença brasileira feminina na percussão americana, e também exímia forrozeira

Soube de Nêgah Santos ao escutar Phoenix da saxofonista americana Lakecia Benjamin, do qual ela participa. Bateu curiosidade, porque a percussão brasileira exportada é em sua quase totalidade masculina. Nêgah Santos, sem chamar atenção da imprensa compatriota, já tocou com alguns dos maiores nomes da música contemporânea americana. A começar pelo badalado pianista Jon Batiste,... Continuar Lendo →

Rodrigo Faour movimenta Paço do Frevo, com lançamento do livro História da Música Popular Brasileira – Sem Preconceitos

Muito agito nesse domingo no Paço do Frevo, com apresentação do grupo Fuzuê de Danças, às 16h, e o megalançamento, às 17h30, dos dois volumes da Historia da Música Popular Brasileira – Sem preconceitos, do jornalista e pesquisador Rodrigo Faour. O grupo de dança apresenta o Referenciais do Fuzuê – Mestras, Mestres e Terreiros, um... Continuar Lendo →

Waldir Azevedo, que completaria cem anos hoje, ganha tributo impecável de grupo formado por Déo Rian

Waldir Azevedo, mestre do cavaquinho, e que dominava bem o violão, completaria nesta sexta-feira, 27 de janeiro, cem anos. Para celebrar a efeméride, Déo Rian, mestre do bandolim, arregimentou um escrete de ouro do choro, Valmar de Amorim, Marcio de Almeida (cavaquinho solo), Bruno Rian (bandolim), André Bellieny (violão 7 cordas) e Darly Guimarães (pandeiro), com... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑